BIODESIGN E BIOMIMÉTICA: A EVOLUÇÃO E REVOLUÇÃO NA MODA

25 de setembro de 2018 Off Por Emerson Oliveira

Você sabia que hoje já é possível revolucionar toda a cadeia produtiva da moda utilizando processos do biodesign, que repensam desde a matéria prima até o fim de vida útil de um produto? Para se livrar dos sintéticos e petroquímicos, a tendência é a utilização de materiais de base biológica, como os organismos naturais abundantes e de fácil reposição: algas, fungos, bactérias, resíduos agrícolas, etc. A biologia traz uma ampla gama de materiais e mostra o potencial da bio-produção para o design. Isso significa não apenas tornar o sistema “menos ruim”, e sim ser a opção mais viável para substituí-lo.

Biostudio – Breno Abreu

Um dos processos do Biodesign é a Biomimética, uma área que ganha espaço até entre os engenheiros que observam a produção natural de substâncias animais e/ou vegetais para reproduzir o processo na criação de novos materiais ecológicos. No campo da moda sustentável essa é a revolução, que possibilita projetar a ciência com criatividade para desenvolver produtos que farão diferença no mundo, com menor e incomparável impacto ambiental, sendo assim a opção mais inteligente.

Second Skin: tecido hiper tecnológico baseado em biomateriais, de Lining Yao.

Tecidos, calçados, corantes sustentáveis e livres de crueldade são exemplos do que já está sendo produzido ao quebrar as barreiras entre biologia, design e moda. O futuro dos materiais consiste em manipular microorganismos vivos para obter melhor desempenho ecológico e até mesmo estético. É nesse momento que a produção sai do ateliê para ter início no laboratório, permitindo aos designers alcançar novos resultados por meio de novos métodos. Estima-se que nos próximos anos esses produtos já estarão no mercado e as marcas os tornarão em uma real proposta de valor.

Fonte: Divaholic