Acordo Mercosul e União Europeia

Acordo Mercosul e União Europeia

13 de agosto de 2019 Off Por Microdata

O acordo do Mercosul com União Europeia é sem dúvida um momento histórico, depois de 20 anos do início das negociações. Esse acordo reúne um PIB de 18 trilhões de dólares, um mercado de 750 milhões de pessoas e 101,6 bilhões de dólares de comércio bilateral. Sem dúvida, o acordo comercial mais importantes que o Brasil assinou na sua história, juntamente com o Mercosul. É um acordo complexo, que vai muito além da redução de tarifas para o comércio bilateral, incorpora também serviços, investimentos, compras governamentais, sustentabilidade, entre outras regras para serem negociadas.

No Brasil, 17,6% das exportações são para a União Europeia (segundo maior destino) e 19,2% das importações brasileiras tem como origem os países europeus. No caso do setor têxtil, também é um acordo relevante, com uma oportunidade maior de ampliar as exportações de bens para a Europa.

Na prática, no livre comércio, estamos falando em não pagar tarifas, ainda que a redução seja gradativa a cada ano até chegar a zero, e ter maior acesso ao mercado europeu, aumentando a competitividade. E a União Europeia vai ter acesso ao mercado brasileiro também com maior vantagem. A assinatura de um acordo com esse dá possibilidade de buscar mais competividade, maior equilíbrio e alinhamento do Brasil com esse importante parceiro comercial.

É importante ressaltar que esse acordo não tem uma vigência imediata. A assinatura representa o fim das negociações nas esferas técnicas e política, mas agora passa por uma tramitação burocrática, como tradução, revisão técnica e jurídica, a formalização do acordo, ratificação pelo Parlamento europeu e também pelos Congressos de cada país membro da Europa. Também precisa da aprovação dos Congressos dos países do Mercosul para então ter início a vigência. Isso deve levar em torno de dois a três anos para entrar em vigor.

Esse acordo com a União Europeia deve ser o ponto de partida para uma série de outros acordos que estão sendo negociados pelo Mercosul e podem ser concluídos até mais rapidamente, como Canadá, países do Efta (Associação Europeia de Comércio Livre), Cingapura, Coreia do Sul e México.

Concomitante com esses acordos, as entidades representativas do setor têxtil discutem com o governo a urgência na adoção e implementação de uma agenda mais competitiva para nos colocar em um patamar minimamente equilibrado com esses outros países do mundo, em que o Brasil vai ganhar com uma inserção mais responsável e correta.