Quando você faz o envio do seu Bloco K você também gera relatórios de conferência?

Quando você faz o envio do seu Bloco K você também gera relatórios de conferência?

22 de maio de 2019 Off Por Microdata

O Bloco K é uma das partes do EFD, parte integrante do SPED, e constitui-se no livro eletrônico de Registro de Controle da Produção e do Estoque. Todas as organizações devem apresentar os relatórios de estoque e produção no SPED fiscal.

As empresas que se enquadram no grupo começaram a entrega do Bloco K agora em janeiro/2019 sendo exigido neste mês de janeiro apenas os Registros K200 e K280, registro a serem transmitidos.

As informações que são requeridas pelo Bloco K são:

Quantidade Produzida;

Quantidade de materiais consumido;

Quantidade produzida em terceiros;

Quantidade de materiais consumida na produção em terceiros;

Movimentações internas de estoque que não estejam diretamente relacionados à produção;

Materiais de propriedade da empresa e em seu poder;

Materiais de propriedade da empresa e em poder de terceiros;

Materiais de propriedade de terceiros em poder da empresa;

Lista de materiais de todos os produtos que são fabricados na produção própria e em terceiros.

Com a implementação do Bloco K, o Fisco passa a ter o controle total sobre a apuração do estoque da empresa. Isso significa que se a sua empresa fizer qualquer movimentação que não seja escriturada no SPED Fiscal ICMS/IPI, ela pode sofrer determinadas penalizações da fiscalização.

Com esta medida, o Governo espera colocar fim à sonegação de impostos por parte de indústrias brasileiras. Se antes uma empresa conseguia justificar uma venda de mercadoria sem Nota Fiscal, atualmente com o Bloco K, o Fisco poderá analisar estas informações de forma detalhada e criar agrupamento de informações por segmento.

Caso a empresa não apresente as informações necessárias junto à Receita Federal ou as informações inexatas, esta empresa poderá ser multada ou ter serviços suspensos, como a emissão de Notas Fiscais eletrônicas (NFes).

Em caso de atraso na entrega, a multa será de 1% sobre o valor do estoque, acrescidos de R$ 500 para empresas optantes pelo Simples Nacional e R$ 1,5 para as companhias enquadradas nos demais regimes. Já em caso de envio de informações incorretas, a multa é de 3% sobre as obrigações comerciais.

Por fim, aqueles que recolherem valores menores do que o devido ou, ainda pior, que não recolherem valor algum, terão que pagar uma multa de 100% do valor devido, além de os responsáveis correrem o risco de serem autuados criminalmente em razão da sonegação de impostos.

Além disso, o negócio fica mais suscetível a sofrer fiscalizações, deixando a empresa ainda mais exposta ao Fisco. Por exemplo, caso sua empresa não tenha armazenado um XML em específico, a multa pode chegar à R$1.000,00 por XML de Nota Fiscal não apresentado numa fiscalização.